Índio é retirado à força do STF após protestar por cotas em universidades - Blog do Walter Lima

Destaques:

Adsense Abaixo do Cabeçalho

Adsense Início dos Posts

Raynet-telefone-blog-do-walter-lima-anunciar

26 de abr de 2012

Índio é retirado à força do STF após protestar por cotas em universidades


Julgamento sobre cotas foi interrompido com a manifestação no plenário. Araju Sepete Guarani queria que ministro falasse do direito dos indígenas.
Araju Sepete Guarani foi retirado à força pelos seguranças do Supremo Tribunal Federal na tarde desta quinta-feira (26), ao protestar pelo direito de cotas para indígenas em universidades, em julgamento pela Corte. (Foto: Andre Dusek/Agência Estado) O indígena Araju Sepete Guarani foi retirado à força do plenário pelos seguranças do Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta quinta-feira (26), ao protestar pelo direito de cotas para indígenas em universidades. A Corte iniciou nesta quarta o julgamento de três ações que contestam a constitucionalidade das reservas para negros, indígenas e estudantes de escolas públicas em instituições de ensino superior públicas e privadas. A única analisada até agora é a que trata das cotas raciais. Durante a leitura do voto do ministro Luiz Fux, a favor das cotas, Guarani causou tumulto no plenário ao exigir que se mencionasse o direito dos indígenas. Por causa da manifestação, o presidente do STF, Carlos Ayres Britto, interrompeu o julgamento. No momento, apenas o relator, Ricardo Lewandowski, havia votado a favor das cotas. Na retomada, Fux citou o direito dos indígenas e concluiu seu voto a favor das cotas. "A ansiedade é o mal da humanidade", disse o ministro após o incidente. Cerca de uma hora depois, a maioria dos ministros já havia votado a favor da política de cotas raciais da Universidade de Brasília, objeto da primeira ação em julgamento. Mais informações http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/04/indio-e-retirado-forca-do-stf-apos-protestar-por-cotas-em-universidades.html?utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seus comentários. Cautelosamente apreciaremos para liberação.
Configurem crime de calúnia, injúria ou difamação;
Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro.
Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

LEIA TAMBÉM:

Receber notícias no e-mail

Adsense Final dos Posts